sexta-feira, abril 10

A formação do cidadão

Funcionárias da Loja do Cidadão de Faro proibidas de usar saias curtas e decotes 

 (da net)

As funcionárias da Loja do Cidadão de Faro, inaugurada a 3 de Abril, foram proibidas de usar saias curtas, decotes, saltos altos, roupa interior escura, gangas e perfumes agressivos. As instruções foram dadas numa acção de formação antes da abertura da loja, denunciou uma funcionária. Público

( Em 1936, o Ministério da Educação proibiu as professoras de usar maquilhagem e indumentária que não se adequasse à “majestade do ministério exercido”; as professoras só podiam casar com a autorização do Ministro, concedida apenas desde que o noivo demonstrasse ter “bom comportamento moral e civil” e meios de subsistência adequados ao vencimento de uma professora.)

"... cheguei a ser chamada à Reitora para me dar a conhecer o seu entendimento sobre o correcto tamanho das saias de uma professora (um exemplo de bom comportamento para as alunas), até porque, quando escreve no quadro, pela ordem natural das coisas, a saia sobe… Logo, nada de saias curtas!Edite Estrela

6 comentários:

CybeRider disse...

Tinham que arranjar maneira de me lixar... Sócrates do... !!!!!

E agora? Como é que apaziguo os meus fetiches?...

Ogre disse...

Meu, não digas essas coisas senão qualquer dia tens a polícia dos costumes a rebentar-te a porta.
Onde fica Abril?

Isabel Pedrosa Pires disse...

E que o Sócrates vai fazer às mini sais da Câncio?
Qualquer dia nem calças.
Onde já vi isto?
Há muitos muito anos ainda era uma criança....

luisM disse...

CyberRider, tenha calma, são funcionárias civis, não são freiras. Essa sua faceta cristã deve ser apaziguada, principalmente nesta época de recolhimento pascal.

E o nosso amigo Ogre fala, muitas vezes do que não sabe. Suponhamos que o responsável pela ordem de serviço tem de aturar funcionárias anafadonas, de bigode e de cabelo espigado, colorido de amarelo? Se calhar seria bom para o ambiente dos serviços, para a calma dos utentes, que as funcionárias fossem mais discretas. Evitar-se-ia o relaxe na hora de expediente, com o público mandando piadas aleivosas em voz alta e rindo-se alarvemente, enquanto as ditas fincionárias abanavam os largos rabos em costuras meio esgaçadas. E se os perfumes fossem de fragrâncias exóticas intensas, como aroma de coco, de baunilha, de groselha, daqueles que excitam o vómito ou a enxaqueca insuportável? Quem se importaria que o cheiro fosse atenuado, ou mesmo, desaparecesse?

Para podermos tomar uma posição acertada, deveríamos consultar os nossos eleitos deputados, pedir-lhes um inquérito rigoroso sobre a situação e, em face dos resultados, exigir-lhes a revogação do novo código deontológico das funcionárias, ou deixar tudo no esquecimento.

Bem haja quem se preocupa com o bem comum!

Sopa de Letras disse...

Falta ai que .....hum...não podem mascar pastilha e tem de ter o hálito fresco....
BOa páscoa

Smootha disse...

Ora fiquei de boca aberta quando ouvi isso nas notícias há pouco...
Pensei: "Havia de ser cá comigo!"
A mim ninguém me tira o belo do decote com as copas D lá dentro, a saia, mini ou menos, ou o saltinho alto, o perfume e a maquilhagem e tudo a que tenho direito e com que me sinto bem. Convenhamos: o cliente (assim) volta sempre e nem reclama!
Beijocas, rapazes!