quarta-feira, maio 13

Regresso das fardas


A Moral e a Estética fascista teimam em regressar. Passados 35 anos do 25 de Abril, as casacas já regressaram ao original e procuram a compostura de outrora. Há pouco foi a loja do cidadão, agora somos surpreendidos pelo regulamento da Escola EB 2, 3 José Maria dos Santos em Pinhal Novo, que se sente no direito de proibir decotes pronunciados, minisaias e calças descaídas. Só faltam as fardas da Mocidade Portuguesa.
Onde é que esta gente pensa que está? Da roupa à liberdade de expressão é um pequeno passo. A obsessão pelo controlo dos outros não tem limites.

9 comentários:

Smootha disse...

(Com ar estupefacto...)
Dessa ainda não tinha ouvido falar...
Mas que raio de ideias de asno andam por aí?
Sempre estou p'ra ver se me proíbem o decote... Saio logo do país!

Ogre disse...

Acho linda esta preocupação pelos bons costumes. Cumove-me o facto de haver pessoas que só pensam no nosso bem, nos nossos interesses. Sobretudo no modo enternecido como procuram proteger as nossas crianças de males perniciosos. Abençodas senhoras (já alguém reparou que são sempre senhoras?) por tais desvelos.
É de pessoas assim que precisamos, tanto como um tiro na cabeça. Vão à merda.

Conceição Duarte disse...

Caramba, há que ter bom senso e acompanhar os tempos, educação é bom e cabe em todo lugar, mas fardas??? Não é hora... LIBERDADE!

o mundo visto daqui disse...

Estas descobertas são curiosas: quando há uns anos esse regulamento foi aprovado por todos naquela escola ninguém se admirou, contestou... silêncio! Por que não pedem para datar o dito ? Datem e vão ver que tem uns anos. Neste país só se acorda de quando em vez: é pena, pois atrocidades como a Mocidade Portuguesa, a Legião Portuguesa, a censura e - pior (?) - a auto-censura, o medo de falar alto, o controlo telefónico e outras modalidades de fins análogos proliferam no país, ao nosso lado e se alguém comenta é muito mal visto ! Esse é o verdadeiro perigo, a verdadeira tradição pidesca que permanece no inconsciente (?) no nosso pequeno país... Cabe-nos contrariar e não ter medo de dizer "Está mal porque". Mas um regulamento é só isso mesmo - são regras, que normalmente não se cumprem por cá. Quando nem sequer estão regulamentadas as outras subreptícias formas de controlo creio que é mais perigoso: pensem nisso ! Eu sempre achei absurda essa norma desse regulamento, mas ninguém se importou...

CybeRider disse...

Estas fardas abrem o caminho às outras, que em breve nos vêm cá dar com o cassetete na mona, para a colagem ser mais perfeita.

Ora deixa-me clarear a voz...

"Cá vamos, cantando e rindo..."

Brisa disse...

No meu cantinho defendi justamente o contrário do que é dito neste post. Não sou uma pessoa moralista no sentido de achar que temos de ter comportamentos e vestuários homogéneos. Contudo, defendo o bom senso na utilização do espaço público. Portanto, numa escola não creio que seja fundamental andar de fio dental ou boxers à mostra; pode-se ter um decoro mínimo e deixar os trajes mais sexuais (não sensuais, porque estas mini-saias, junto com as hormonas da idade, acompanham-se por comportamentos marcadamente sexuais, é natural, é a fase da descoberta) para espaços mais neutros, nomeadamente a praia. Defendo a liberdade no vestuário, mas, bolas, não temos de fazer de TODOS os locais uma gigante passerelle de mamas, rabos e sexo!

Anónimo disse...

E porque não???

CybeRider disse...

Já cá vim várias vezes. Este penúltimo comentário parece fazer crer que somos monstros que queremos andar a mirar criancinhas nuas na escola. Vamos lá a ver...

Essa verdade lapaliciana, se aplicada pedagógicamente às crianças e as paizinhos, não levaria a uma sociedade melhor sem necessidade de recorrer à repressão para evitar os efeitos de um ambiente social mal formado e cheio de lacunas?

Com tantos problemas na sociedade portuguesa a nível de saúde, educação, justiça (..., ...) não parece estranho que alguém tenha como primeira motivação a imediata resolução de problemas morais pela mera repressão?

Gostaria sinceramente de ver esta pedagogia aplicada de outra forma que não pela força, e a sua aplicação depende de si que comentou isto desta forma e de mim também (mas o meu filho não anda semi-nu na escola), o resto é trabalho de campo como deixo neste comentário.

Obrigado

mfc disse...

Foi essa a reacção que tive... uma indignação total!